sábado, janeiro 21, 2006

Rui Knopfli

TELEGRAMA

Ao longo destes anos todos
nada temos dito - meia dúzia
de palavras trocadas para o ofício
difícil da vida diária
e quantas delas proferidas com azedume.
Não te roubou, a brancura dos cabelos,
a doçura que nos teus olhos mais
se acentua.
Mãe,
este silêncio anda cheio de ternura.


[196]

2 comentários:

  1. Um belo poema, ternura e kirismo.
    Amina

    ResponderEliminar
  2. agradeço o comentário, apesar de o mérito não ser obviamente meu

    ResponderEliminar