terça-feira, janeiro 24, 2006

Heliodoro Baptista

PRESSÁGIO, MINHA AVE

(Ao Gringas e à Maria,
Poetas de outro blue-jazz)


Estou doente como um cão
num barco içado pela babugem
no ritmo Índico puro da monção;

O homem que eu disse ser,
inescrupuloso, de rara penugem,
é o capitão deste barco a arder
no seu cachimbo em forma de coração;

Longe, a ilha de seu destino, é vaga ideia
em qualquer privado jardim da consolação:
céu, mar, gaivotas de fogo, o pé-de-meia
de quando eu ainda pensava ter razão.

Este homem recorta-se no vosso céu de aço;
Ventos temporais, estrelas caídas de fronte,
O cachimbo sem tabaco, o declinado horizonte
E o coqueiro híbrido na mão insurrecta, largo o espaço.

Já não estou, afinal, doente; para sempre fui e morri.
Mas pela noite áfrica, oceânica, regresso. Renasci.


[197]

2 comentários:

  1. I really like your dodge related blog site. I have a dodge related web site at dodge. If you're into dodge. You will want to check it out.

    ResponderEliminar
  2. POR FAVOR: AGRADEÇO ALGUÉM ME DÊ UM MEIO DE CONTACTAR O HELIODORO, JÁ AGORA PARA O MEU EMAIL QUE MORA EM «ndabane@hotmail.com»

    ResponderEliminar