terça-feira, março 08, 2005

Carlos Gil

UM BAIRRO

Mafalala, oh Mafalala
bairro rico ao metro quadrado,
o maior índice da cidade
de carrinhos em arame moldados

Mafalala, oh Mafalala
onde vivi até aos quinze
- bairro que queriam que eu visse,
o calção limpo,
os olhos fechados

Mafalala, oh Mafalala
bairro de putas e operários…
vendedoras de bazar, mainatos,
tantos caminhos cruzados

Mafalala, oh Mafalala
tantos caminhos para milhares.
Teus becos, meu gelo-doce,
lá despedi a virgindade…

Mafalala, oh Mafalala
onde vivi até aos quinze!
eu de olhos fechados,
tu a ensinares-me a olhar

Mafalala, oh minha Mafalala…


[138]

5 comentários:

  1. UAUUUU!!!, até me comovi!! Oh, p'ra ele, autor entre os maiores!!! _ beijo ao Miguel e ao despassarado do poeta..., IO.

    ResponderEliminar
  2. Bom dia! Sou brasileiro e freqüentador daqui há já bom tempo, mantendo um linque em meu blogue para cá. Estou precisando de um favor: A epígrafe do À Sombra dos Palmares é apenas um trecho de um poema de Natália Correia? Como poderia conseguir a íntegra do texto? Gostaria bastante de poder publicá-lo no meu Sarapalha. Se alguém pudesse enviá-lo para mim, ou dar uma indicação... ficaria muito grato.
    Abraço brasileiro, fraternal, do Tristão.
    http://sarapalha.blogspot.com
    tristam37@uol.com.br

    ResponderEliminar
  3. Porque só agora descobri?
    Tenho muitas recordações da Mafalala, fronteira entre a cidade e o mato... há quem chegue... e, quem parta desiludido... a cidade, ai a cidade... o mato sim, a vida ali é autêntica, mas esta poesia transportou-me para um lado que me é caro... obrigada, um abraço Ricky

    ResponderEliminar